segunda-feira, 19 de março de 2018

Conto - AFINIDADES DO AMOR


Amanheceu.
O sol entrou pela janela do quarto e banhou o corpo de Agatha, enquanto ela se espreguiçava sonolenta. A noite fora agradável no clima ameno de verão e a ausência do lençol a fez apreciar a sensação do calor na pele exposta pelo lingerie. Abriu os olhos e tateou a cama, à procura de John. Sentiu somente a maciez do lençol ainda quente, certificando-a de que ele estivera ali há poucos minutos. Ouviu o barulho do chuveiro e sentiu o cheiro tão familiar de xampu. E sorriu.
 


A madrugada voltou à sua memória, com intensidade. O jantar gostoso no restaurante chinês, a música sensual, a dança nos corpos colados, sensíveis ao toque da pele um do outro. A vontade de sentir o tempo parar eternizando aquele momento. Nunca imaginara poder sentir tanta felicidade. Aninhada nos braços dele sentiu-se única, especial. O amor a fez ver tudo o que podia ser em sua essência refletida em John. Houve sorrisos entre olhares e entrega nos abraços. Houve sentimento e paz. E paixão.
 

A história entre eles estava apenas começando, mas o encontro sempre esteve escrito no destino. Quando o amor é real nunca é menosprezado pelos anjos, pelo contrário, é fortalecido em fé. E se torna profundo, inesquecível e verdadeiro. Os anos podem passar deixando marcas e cicatrizes na pele e no coração, mas a alma continua intacta quando se ama de verdade.
 

Foram dois anos de namoro e agora dividiam o mesmo teto e os mesmos sonhos. O mesmo lugar para as escovas de dente, dois lugares ocupados na mesa, a cama de casal preenchendo o quarto e dois corações olhando na mesma direção. Agatha se perguntou se iriam conseguir manter acesa essa chama tão completa e ardente no decorrer dos anos, mas nem sequer parou para ouvir de si mesma a resposta. Por que isso não importava. O importante estava sendo aquele momento, aquele som de felicidade dentro do coração batendo mais forte, esperando pelo olhar do homem amado que saia do chuveiro, molhado e nu.
 

Sentiu o desejo dominá-la novamente e não esperou que a toalha ocultasse o corpo que agora era uma parte do seu ser. Juntou-se à sua nudez. Molhou-se em seus poros, em sua boca, em seu desejo, em sua pele, até que o amor se consolidou mais uma vez. Em dois, tornaram-se apenas um.

KG Kati

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo! Clique SEGUIR, seja um seguidor do blog e comente!